Depressão camuflada e seus sintomas

Como saber se estamos com depressão ou não?

Muitos sintomas de depressão podem ser confundidos com preguiça, irresponsabilidade, procrastinação, desinteresse ou falta de vontade de realizar, entre outros…

É preciso saber reconhecer em si mesma – e nos outros – estes sintomas, se os mesmos já estão afetando sua vida e se já é o momento de buscar ajuda!

A falta de conhecimento por parte de amigos, familiares, colegas de trabalho – e nós mesmas -faz com que julguemos – ou sejamos julgadas.

Fomos criadas numa sociedade onde o que vale é o sucesso financeiro, profissional, relacional, etc… para que isso ocorra o sistema criou a competição, a comparação e as recompensas para quando somos “a boa menina”.

Mas o que acontece quando não alcançamos o tal sucesso?

Aí então, como parte de “retaliação” o mesmo sistema que nos criou nos envia o “efeito colateral”: a insatisfação (conosco e com o mundo), o descontentamento, sentimentos de incapacidade ou não merecimento, o não pertencimento… aprendemos a calar, a nos moldar, a disfarçar, a sorrir quando queremos chorar, a abafar nossas emoções, porque afinal de contas “quem chora é fraca”, “ quem grita é louca”, “ quem expõe sua opinião é antipática”, “quem pensa diferente é estranha”, e assim vai…

O grande problema disso tudo é que se não soubermos lidar com estas “decepções” que inevitavelmente vamos vivenciar no decorrer da nossa vida, começaremos a acumular emoções negativas dentro de nós e, ao serem acumuladas, criam o efeito “panela de pressão”. Mantemos uma enorme gama de energia nociva dentro de nós mesmas e pra que?

“para não magoar o outro”

“por que sempre fui assim”

“minha mãe (vó, pai, tio, tia…) me ensinou a…”

“prefiro calar que encarar o que o outro pensa a meu respeito”

 “família aguenta tudo “

 “se eu mudar minha forma de ser as pessoas se afastarão de mim”

“é melhor ficar calada e concordar que criar confusão”

Estas e outras frases fazem parte do contexto de pessoas que deixaram de ser elas mesmas, se emudeceram, negaram-se, se traíram… tudo para serem aceitas social e emocionalmente!

Desde pequenas vivenciamos situações que nos trazem alegrias, prazeres, contentamentos, conforto ou tristezas, dores, culpas, medos, angústias…

Mas porque para algumas estes momentos marcam ou causam tanta dor e para outras não?

Pela importância que demos (e ainda damos) a estas memórias do passado!

O caminho para a cura é simples – olhar para dentro, encontrar as amarras que nos prendem, reconhecer-nos!

Estes simples passos nos auxiliam a recuperar nossa capacidade de sorrir, nossa criança interior e dar a volta por cima de qualquer dor ou desconforto que nos mantinham estagnados!

A depressão tem cura sim… ela está dentro de você!!

Comente!